Ela me ligou para reclamar que a foto dela não estava no post anterior. Ela foi a viagem toda para Santos olhando pro Eric e falando: “D-I-N-D-A”. Só porque foi a primeira a saber que eu estava grávida dele? Só porque acompanhou toda a gravidez? Só porque ficou ligando para a minha doula durante o parto para saber como andava? Só porque foi testemunha do registro dele no cartório?

Dinda (ou madrinha) é uma palavra que não fazia parte do meu vocabulário de paulista. Conheci no sul, com a família do meu marido. Não sou religiosa, não batizo meus filhos, mas isso me fez pensar no papel de uma dinda na vida deles. Em tese, madrinha é aquela que, na ausência dos pais, vai cuidar da criança. Gosto de pensar que dinda é a pessoa com afeição especial pela criança, que vai lhe trazer carinho, seja por palavras, olhares, cuidado, atenção. Não só na ausência dos pais.

Enfim, eis a foto que a Alê reclamou. Ela estava feliz da vida que era a primeira vez que tinha conseguido fazer um bebê dormir sem peito. Colinho de dinda, né?

0 Comments

  1. Avatar

    Também não batizo meu filho, e gostei muito do que vc disse: "Em tese, madrinha é aquela que, na ausência dos pais, vai cuidar da criança. Gosto de pensar que dinda é a pessoa com afeição especial pela criança, que vai lhe trazer carinho, seja por palavras, olhares, cuidado, atenção. Não só na ausência dos pais."

    Tenho uma grande amiga e nos sentimos assim tbm!

    bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *