Lancam Via Vale-24

Por Tatiane Cotrim

Lembra daquele tempo que, na hora de sair era só pegar a bolsa e pronto? Com a chegada do bebê mudou tudo. A impressão que dá é que o universo precisa conspirar ao seu favor para qualquer voltinha no quarteirão: bebê alimentado, feliz ou dormindo, limpo, bolsa pronta… Mil cuidados para quem é tão pequeno. E todas as atenções também são para o bebê. E a mãe fica, de certo modo, esquecida – justamente após ser o centro das atenções durante a gestação. Então, a maternidade real dá um nocaute no romance: você precisa estar plena, linda, completa e maravilhosa com a chegada do bebê. Se ficamos felizes? Sim. Se nos apaixonamos pelo bebê? Sim. Mas olha, é complicado estar radiante de felicidade usando o mesmo pijama há 2 dias, passando o dia com uma maçã e uma comida gelada enquanto o lixo acumula fraldas e o cesto de roupas vai ficando lotado de bodys e macacões sujos. Como se sentir plena e realizada quando o bebê chora desesperadamente e nada que você faz para tranquilizá-lo dá certo? 

O que dá é desespero, isso sim. E, quando ele finalmente dorme, você nem sabe o que fazer primeiro: ajeitar a bagunça, cuidar de si ou apenas deitar e dormir. E até você decidir… ele já acordou de novo. 

Então o que você está fazendo de errado? Como você não consegue ser que nem naquela foto daquele perfil famoso com todos lindos e arrumados, sorrindo e esbanjando energia e felicidade? A resposta é: NADA. Na maioria das vezes, a verdade é que ninguém falou das mudanças do puerpério: seios inchados, doloridos e vazando leite, o útero vazio depois do nascimento, pontos, lacerações, alterações hormonais e emocionais. Então, entenda: não tem nada de errado com o que você pode estar sentido. Seu bebê nasceu e você está renascendo mas, agora, como mãe, imersa em outra realidade, com novas prioridades tão intensas que passam até por cima das suas necessidades pessoais.

Você e seu bebê ainda estão se conhecendo, criando vínculo, construindo um amor. E aí entra o mantra #vaipassar. Porque é verdade: logo vocês se conhecerão tão bem, logo ele estará maior, logo vocês entrarão em sintonia. E tudo fica mais fácil.
E é por isso que o #CineMaterna existe: nós queremos cuidar de quem cuida. A mãe recém-nascida também precisa de carinho e cuidado, assim como o bebê. Porque, para ela, as coisas mais básicas deixam de ser prioridade: tomar um banho ou comer uma refeição quentinha e com sossego, ir ao banheiro, escovar os dentes, dormir (DORMIR, SÓ UM POUQUINHO, por favor, nunca pedi nada!) deixam de ser prioridade no turbilhão que é cuidar de um recém-nascido.
E nós estamos aqui para ajudar você nessa fase. Pode contar com as sessões CineMaterna. Para quem vê de fora, pode ser só uma sessão de cinema. Mas as mães puérperas entendem bem a libertação que é poder sair com tranquilidade com um bebê pequeno. Porque sim, nós amamos as mães recém-nascidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *