Mulheres em desenvolvimento

“Desenvolvedor” é como chamamos o profissional da área de tecnologia da informação (TI) que, através de linguagens em código, faz sites e sistemas. Atualmente, é uma profissão predominantemente masculina, mas aos poucos as mulheres estão aumentando o contingente de profissionais.

Aqui no CineMaterna, há seis anos só falamos em desenvolvedorA.

Você já deve ter ouvido falar que é uma profissão “em alta”, com muita procura. E nós ainda queremos que seja mulher, olhe que ousadia! Pois esse atrevimento promove encontros muito ricos.

Postei no meu LinkedIn a busca por uma profissional:

Imediatamente recebi um comentário de uma amiga de faculdade: “fale com a Miriam Koga, da DUPLA. Elas recrutam apenas devs mulheres!”. Devs é desenvolvedores, para os íntimos.

A chamada da home page da Dupla me chamou atenção: “Conectando mulheres em tecnologia com empresas de cultura saudável“. É uma meta ambiciosa e nobre no atual cenário “capitalismo-selvagem-criador-de-burnout“.

Rapidamente a Miriam viu a postagem, curtiu, trocamos algumas palavras, me inscrevi no site, recebi uma mensagem para agendar uma conversa com ela e, em menos de 24 horas, nos encontramos virtualmente, em um papo animado e de elogios mútuos de admiração pela iniciativa da outra.

Considero, sem nenhuma modéstia, que o CineMaterna é uma empresa com um ambiente de cultura saudável. Amigável. Atenta. Cuidadosa. Empática, em especial com mães. Tem muito trabalho, sim, mas tem muito carinho, solidariedade, compreensão, apoio, risadas.

Enfim, deu match entre a Dupla e o CineMaterna. Estamos trabalhando juntas para buscar uma “devA”. Ainda não preenchi nossa vaga, mas meu encontro com a Miriam trouxe esperança: a confiança de vislumbrar um mundo com a sensibilidade da força feminina.