Nóia

A Ale, esta que está sentadinha no degrau do cinema, de camiseta rosa, deu origem a uma discussão interessantíssima entre as coordenadoras CineMaterna das cidades.

Foto de Ricardo Becker

Alessandra (Porto Alegre): “Nóia” de coordenadora CineMaterna: entrar numa sessão “normal” querendo “contar os bebês”!

Andaira (Recife): Kkkkk. Aconteceu comigo! Entrei querendo organizar a sala.

Bianca (Rio): Eu sempre acho o som muito alto!

Dayana (Santo André): Comigo nunca aconteceu, mas quando acontecer vou saber que é normal…

Irene (eu): Eu fico esperando choro no meio do filme.

Gláucia (São Paulo): Às vezes dá vontade de pedir para baixar o som ou o ar.

Luana (Fortaleza): É mesmo!

Manoeli (Salvador): Não assisto mais cinema sem ser CineMaterna. Som alto não me pertence mais!

Fernanda (Brasília): Eu fico querendo de tudo um pouco. Baixar o som, o ar, ver bebês, contar, e claro, não podia esquecer os trocadores.

Se você for ao cinema e cruzar com uma maluca querendo baixar o volume, mexer no ar condicionado ou acender as luzes durante o filme, pode ser uma coordenadora CineMaterna. Se somado a isso, ela ainda assistir ao filme sentada nos degraus ou em pé, mesmo com lugares sobrando, com certeza que é uma das nossas rosinhas!